sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Sonho

Também não sei se fui eu que te levei até ao meu sonho ou se foste tu quem bateu à porta da minha alma no momento em que adormeci. Num desleixe sintético de quem passou a viver a realidade, leve, do lado de lá, deixei-te entrar. Foi doce e intenso. Real, puro, constante e integro. Só nosso.
-
Acordei certa da vontade de ambos.
Tu, de entrares em mim.
EU, de te deixar entrar.

2 comentários:

A.S. disse...

Carla...

Amar é ser cúmplice!!!

Adorei o teu texto...



Beijos...
AL

Miguel disse...

Gostei...

:)

Vou passar mais vezes...