segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Desiludida

Desiludida, completamente desiludida. 
É assim que me sinto.
Sinto que parte de mim desabou.
Obrigo-me a revisitar a história vezes sem fim e pouco ou nada faz sentido.
O meu instinto traiu-me. A inocência que me obrigo a viver (com 30 anos como se fossem 3) tolda-me a visão do coração e desprotege-me a alma.
Mesmo escancarando a porta, arrombaram-me a janela para usurpar sem medida, sem escrúpulos, sem pejo nem moral. Sem princípios.
Procuro agora um qualquer processo de reconstrução. Subo a grua e reboco o peito de cimento e arame farpado. Depois da destruição irreversível que provoca a traição e a mentira, resta-me apenas libertar o meu coração de vingança e, pedir ao Universo, para que desta vez não seja justo.

4 comentários:

Nádia disse...

Um palavra: Força!
Porquê? Precisamos dela porque a nossa felicidade também depende dos outros. No entanto, os outros conseguem, por vezes, "dar-nos" tanta tristeza e desilusão.

Outra palavra: obrigada!
Carla, é no teu blog que muitas vezes venho procurar Força para viver com as desilusões que vou encontrando na minha vida.

Carla disse...

Obrigada eu Nádia.
Mesmo.

Misa disse...

Lições constantes nos teus textos. Aprendizagem. Sabedoria.
Sempre uma excelente leitura :)

Nádia disse...

Desejo mesmo que tenhas muita força e coragem! Estou a tentar também tê-la... Infelizmente, não está a ser fácil.

Nádia